• Pati

Explorando a sustentabilidade e responsabilidades

“Sustentabilidade ambiental são processos dentro de um sistema que permite a sua perpetuação em certo nível e por determinado tempo, utilizando meios mais limpos, menos agressivos e priorizam a natureza , reconhecendo seu imensurável valor que retorna principalmente para o consumo da sociedade humana.”

Quais são os efeitos dos últimos acontecimentos do planeta em sua vida?

Se você responder "nenhum", a primeira questão é: "você mora em qual planeta?" — rs

Você pode até ser afortunado de muitas maneiras, o que te torna raro =) , mas ainda assim estamos todos ligados de alguma maneira.


Já parou para pensar o quanto estamos todos conectados e que o planeta em si é um ser vivo?

Um grande organismo sendo contaminado, bombardeado, explorado e pisoteado constantemente.

Adoecendo pouco a pouco e mostrando o quanto ainda somos predadores ferozes, inveterados, quiçá viciados!

Nos oferece tanto e recebe de volta somente prejuízos.


Notou que nos últimos tempos a internet foi invadida por temas sobre sustentabilidade mas que concretamente muito pouca coisa tem acontecido pró melhorias da relação do Homem com o Ecossistema?

Será que é só uma agenda para inglês ver? Quantas empresas têm se beneficiado com o marketing verde da sustentabilidade? Quantos produtos estão levando em seus rótulos propagandas enganosas? Tudo funcionando em torno do consumismo.


Não existe uma palavra que defina melhor esse greenwashing do que IMORAL. Explorando as urgentes necessidades da sustentabilidade ambiental em troca de lucro através de uma das atitudes que mais impactam o planeta: o consumismo desenfreado e irracional. Empreendimentos que tiram proveitos pessoais, usando o ser humano como meio para seus objetivos egoístas. Princípio de corrupção.


É duro mas é preciso admitir o problema para poder resolvê-lo, jogar luz para enxergar.


O fato é que a humanidade ainda age como predadora, agora temos também os predadores sustentáveis, sim porque tudo gira em torno de não esgotar recursos para que o ser humano não fique sem.

Já parou para pensar que o tema sustentabilidade ainda gira em torno do próprio umbigo humano?


— Ah mas pelo menos começamos a pensar sobre o problema, pelo menos existem algumas pessoas fazendo algo, ah pelo menos eu faço a minha parte, etc… — há verdade nesses argumentos mas ainda não carregam uma filosofia coletiva concorda?


O planeta precisa que toda a humanidade se engaje em sua preservação e não apenas para ter comida, roupas, energia elétrica, água quente para tomar banho no dia seguinte...


A natureza precisa de um comprometimento real e não romântico, um envolvimento onde se entende que todos juntos, natureza e humanos somos um só, somos um coletivo.


Somos um único organismo vivo e mesmo assim estamos agindo como um câncer, um vírus, um parasita!


E, longe de querer ser a mãe da natureza que sabe o que é o melhor, mas já ficou escancaradamente claro, sobre o que não está bom.


Aliás, em qual momento nos separamos do conceito ‘natureza’?

Quando nos colocamos à parte e nos posicionamos como superiores nisso tudo?


O atual momento tem evidenciado nossa fragilidade em muitos aspectos e não caia na ilusão de que tudo é culpa unicamente da corrupção do coleguinha eleito para governar. Que é tudo culpa somente da falta de dinheiro e que se você tivesse muito dinheiro, tudo estaria resolvido. Não! — custa a ficar claro o quanto as misérias humanas estão intimamente conectadas com a perda de tato com a natureza e consigo próprio.


Faça perguntas simples como: O que eu consumo? Por que eu consumo isto? De qual maneira eu consumo isto? É correto consumir da maneira que o faço? Eu sou exemplo de bom consumo? De onde vem tudo isso?


“Educação, quanta falta você faz!”


A culpa também não é exclusivamente do acesso pífio à educação, porque a destruição da natureza não parte só do Brasil e creia, as pessoas pobres e sem estudo são as que menos impactam o meio ambiente (não eximindo responsabilidades).


Existem questões que não se aprendem exatamente na escola, pode até ser que a escola teorize muito bem, que traga uma base importante, bons materiais sobre educação ambiental por exemplo, que ensine a separar o lixo, a construir uma horta, dar uma volta na floresta, mas os exercícios de fixação são estimulados dentro de casa, se espalhando pela sociedade que compartilhamos.


Isso significa que a educação não se restringe ao ambiente escolar e se o mundo é uma escola. Qual aluno é você nessa escola?


A vontade é o seu motor, por isso: Comece algo, ainda que não seja 100% sincero, ainda que não seja de corpo e alma. Comece! Mesmo que seja de forma mecânica, aos poucos iluminando a consciência, fixando hábitos, enfraquecendo o ego e naturalmente se tornando exemplo.


Fertilize o seu solo interno e mude a sua pegada no mundo, deixe um novo rastro a ser seguido, espalhando e inspirando em uma corrente da vida genuinamente sustentável.


Não tenha medo de se perguntar: O que está consumindo minha alma internamente, que me leva a consumir tanto e tão mal externamente?


É um processo trabalhoso? É! Muitos correrão para o salve-se quem puder? Correrão! Você é todo mundo? (já dizia uma boa mãe rs). NÃO!


Nesta pandemia ficou tão claro que todos somos parte do mesmo ecossistema e isso ressalta a sustentabilidade social, deixando tão evidente a falta de compromisso que muitas empresas agem, com desculpas e boa maioria com alguma propaganda enganosa!


Não é errado querer seu lugar ao sol, mas é preciso ética e responsabilidade porque uma empresa não deixa de ser uma ação coletiva que impacta muitas vidas e lugares.


A Minimall chegou nesse ponto. O ponto do questionamento: Por que existimos? O que nos motiva a prosseguir? Qual o propósito de uma empresa com produtos sustentáveis que não seja apenas lucrar?


Corrente da vida. Ética para vender, ética com todos os colaboradores envolvidos no processo de existência da marca.

Cada mão que corta, que costura, que molda, que embala, que produz, que separa todo o material reciclado, natural, orgânico, que se torna o produto final que nós queremos levar para você.


E porque queremos vender para você?

— Porque queremos levar algo que talvez você não consiga produzir em sua casa, com segurança e excelência, mas que ao comprar de nós, você estará se inserindo dentro de uma corrente colaborativa que envolve muitas pessoas engajadas com reciclagem, reforma e reuso de materiais que estavam largados como lixo — E você não estará apenas comprando um produto de consumo banal, você estará investindo em sustentabilidade e apoiando o trabalho de várias outras ‘formiguinhas’ que garantem o sustento de suas famílias participando de algo renovador de verdade.


Cabe a você, a cada um de nós, investigar, questionar, ter interesse em buscar a verdade sobre as fontes que se consomem.

Perguntar constantemente: O que estamos esperando? Quem estamos esperando? Será que inconscientemente terceirizamos decisões e atitudes, sempre na posição de esperar um salvador da pátria?


O salvador sou eu, é você, somos todos nós.

Inspecione se as empresas que você consome são comprometidas de verdade ou se é pura sedução com palavras vazias.

E lembre-se: ‘Eu quero fazer‘, é diferente de ‘eu faço’!


Em algum lugar do seu bairro, eu tenho certeza que há alguém fazendo algo que impacta positivamente a sustentabilidade como um todo e se você não encontrar essa pessoa, seja essa pessoa.


Corrente sustentável. Ainda que alcancemos uma maior consciência, continuaremos explorando e sendo beneficiados pela natureza, então porque não utilizarmos métodos mais dignos?


Será que a maioria das pessoas simplesmente não querem ser sustentáveis ou de repente se trata de um vício em uma vida demasiada preguiçosa e acomodada? — E ainda que vejamos pessoas perdendo tudo, animais sofrendo, o planeta em frangalhos, não frearemos nossos consumos, não repartiremos nosso pão?


São as atitudes que honram nossas palavras.

Quais são as suas obras, qual será o teu legado?


Quanto maior a sabedoria, maior a responsabilidade, esse é o conceito dos grandes ajudarem os pequenos na travessia do conhecimento rumo a um mundo melhor.


A natureza, os animais, a vegetação, os minerais estão aí para nos servir? São o banquete que não conseguimos negar? São as pedras mágicas e bonitinhas que comercializamos e fazemos jóias?

Se a natureza nos serve, ela é nossa escrava? Ou o significado nobre de servir está perdido? E nós, como estamos servindo ao planeta ao qual somos parte? Ou só apontamos o dedo porque somos superiores demais para admitir que coletivamente estamos falhando?


Todas essas questões precisam ser melhor fundamentadas dentro de nós, porque a mudança começa de dentro pra fora, não é falácia, não é filosofia barata.


"Destruir é mais fácil que construir."

Quando algo está desenfreado, bestial e se torna um vício, a intervenção é obrigatória, impedir das terras se tornarem arrasadas, estéreis e precisa ter o estômago de um doente viciado para aguentar tanta destruição sem nada de fato ser feito.


Soluções são urgentes, não é apenas ler artigos, assinar abaixo-assinados, chacoalhar bandeiras, achar legal, e ficar apenas nisso.


Uma atitude, uma pequena iniciativa genuína, ecoará pelo espaço e tempo.

Portanto, sustentabilidade é servir, porque a natureza gratuitamente sempre nos serviu.

Se conecte ao coração da natureza.

Preservar a natureza é tão importante quanto preservar a si próprio.


Esse texto é baseado em um pensamento existencial sobre a Minimall, sobre não ser uma empresa exploradora da sustentabilidade, fortalecer os valores dos nossos produtos, os valores do nosso conteúdo, o quanto ele educa, o quanto há reflexão e inspiração. E os nossos lucros? No que eles se revertem? Por onde nosso capital de giro transita? A quem beneficia? Faria sentido existirmos sem sustentabilidade social?


Pensar na vida como um todo e nas gerações póstumas.

Atuar nas causas sustentáveis, começa consigo mesmo.


A felicidade está em ser sustentável.

Há muita felicidade em ser sustentável.


Ah e não se esqueça de participar e deixar seu comentário, vamos juntos nessa jornada.


Um forte abraço!



12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo